Desenvolver em Android no NetBeans

Como prefiro o NetBeans ao Eclipse (pois é muito mais simples, rápido e versátil), decidi investigar. É possível/fácil programar para Android com o NetBeans com a ajuda do plugin NBAndroid. Há no entanto a limitação de não haver editor gráfico (o que não é preocupante, como explicarei adiante..).

Em resumo, fi-lo da seguinte forma:

  1. Sacar o Android SDK (sem o IDE) e descompactá-lo.
  2. Sacar o NetBeans (recomendo a versão já com o JDK).
    Instalá-lo e abri-lo.
  3. Dentro do NetBeans, ir a “Tools” > “Plugins” > “Settings” > “Add” e escrever:
    Name: NBAndroid
    URL: http://nbandroid.org/updates/updates.xml
    E dar “OK”.
  4. Na mesma janela, ir a “Available Plugins”, procurar a secção “Mobility”, selecionar pelo menos o plugin “Android” e clicar “Install”.
    Depois é só seguir o processo.
  5. Após ter os plugins instalados, ir a “Tools” > “Options” > “Miscellaneous” > “Android” e indicar a “SDK Location”.
    Fazer o mesmo para a tab “Mobile Platforms” e dar “OK”.
  6. Para ter o Javadoc de Android no IDE, vá a “Tools” > “Android SDK Manager” e feche o NetBeans.
    (Repare que o menu “Tools” já tem a integração com as ferramentas do SDK do Android.)
  7. Procure, dentro da plataforma que planeia usar, “Documentation for Android SDK”, ative-o, clique em “Install packages…” e siga o processo:

    Volte a ligar o NetBeans.
  8. Repare que ao ir a “File” > “New Project” já tem a secção de “Android” disponível:
  9. Experimente criar um projeto de teste e veja a estrutura otimizada para um projeto de Android (na tab “Projects”):
  10. Vá a “Window” > “View” e ative o “ADB Log”:
  11. Ligue o seu dispositivo Android via USB (necessita do driver do mesmo mas esta questão não tem a ver com o IDE) e verá que na tab “Services” ele passará a constar dentro de “Android Devices”:
  12. Ao clicar em botão direito no projeto Android, depois em “Run” ou “Debug”, o projeto será lançado para o dispositivo:

Nota: se já tiver um projeto Android criado em Eclipse e quiser usá-lo no NetBeans, terá de fazer um truque: 1. Criar um projeto Android no NetBeans; 2. Copiar o “build.xml” gerado para dentro do projeto já que quer converter; 3. Fazer “Clean and Build”; 4. fazer” Run”.
O oposto não deverá apresentar problemas (do NetBeans para o Eclipse).

OK, agora está tudo em ordem. Poderá programar para Android com NetBeans. Terá a capacidade de debug disponível; de facto, este é um dos aspetos muito mais simplificados no NetBeans relativamente ao Eclipse. A maior limitação é a parte gráfica. Contudo, eis porque não acho isso um problema tão grave:

  • Não estamos sempre a trabalhar na parte gráfica e uma vez feita, as pequenas alterações podem ser feitas diretamente em XML.
  • Existe um plugin (NBAndroid Extensions) que poderá instalar – apenas visualizador, não editor – que exibe o layout (mas só dura 30 dias, pelo que depois poderá adquiri-lo por 15€).
  • DroidDraw é um editor externo (em JNLP) que lhe permite trabalhar a parte gráfica à parte, gerando os XML respetivos (se não funcionar no browser, altere o nível de segurança Java para “Medium” e clique em “Launch” no site).
  • Após perceber a lógica dos layouts/componentes em XML, passará a achar menos útil usar o editor WYSIWYG (tal como um programador de JSF não usa um editor gráfico). De facto, é importante perceber como os layouts/componentes funcionam “por baixo do capô”; ao editar XML poderá aprendê-lo e não tratá-lo como uma caixa negra.
  • Poderá usar o Genymotion, um emulador Android extremamente rápido que permite ver o resultado das alterações em poucos segundos.
  • Por fim, pode sempre abrir o Eclipse ADT ou o Android Studio só para a parte gráfica, ou seja, vê-lo apenas como um editor gráfico, embora isto seja vá contra o conceito de deixar o Eclipse…

Em conclusão, pode dizer-que o NetBeans não substitui totalmente o Eclipse com ADT. Contudo, tendo em conta as vantagens de simplificação na programação em Java, debug, gestão do projeto, e outros, compensa seguir uma abordagem mista. Também estou curioso sobre como é usar o Android Studio.

Deixar uma resposta